Dos muitos efeitos colaterais do coronavírus, talvez os menos levados em conta sejam os psicológicos. Nos EUA, a taxa nacional de ansiedade triplicou no segundo trimestre em relação ao mesmo período de 2019, e a depressão quase quadruplicou. Confira no vídeo:

View this post on Instagram

DEPRESSÃO ⚠️ Dos muitos efeitos colaterais do coronavírus, talvez os menos levados em conta sejam os psicológicos. Infectados que evoluíram para casos graves e sobreviveram podem sofrer estresse pós-traumático por anos, como pessoas que estiveram em guerra ou sofreram acidentes. E mesmo aqueles que se mantêm saudáveis podem padecer de problemas psicológicos. Os jovens adultos, em particular, estão ficando mais deprimidos e ansiosos à medida que o SARS-CoV-2 destrói quaisquer planos de vida que eles tinham em mente. ⠀ Nos EUA, a taxa nacional de ansiedade triplicou no segundo trimestre em relação ao mesmo período de 2019 (de 8,1% para 25,5%), e a depressão quase quadruplicou (de 6,5% para 24,3%). Na Grã-Bretanha, que também teve um surto severo e um longo período de isolamento social, a decorrência de depressão praticamente dobrou, de 9,7% dos adultos antes da pandemia para 19,2% em junho. . . . #6minutos #jornalismo #news #noticia #instagram #insta #video #depressão #ansiedade #psicologia #terapia #coronavirus

A post shared by 6 Minutos (@6minutos) on

Leia também: Coronavírus provoca uma outra epidemia: a de depressão e ansiedade entre jovens adultos

Siga o 6 Minutos nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram, LinkedIn e Youtube

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).