O Brasil não deverá renovar a cota sem tarifa para importação de etanol que vence nesta segunda-feira, e com isso compras de fora do Mercosul deverão passar a pagar taxa de 20%, disse à Reuters uma fonte do governo com conhecimento do assunto.

Com o fim da cota, que prejudicaria principalmente os Estados Unidos, os maiores fornecedores dos brasileiros, o Brasil deverá buscar uma abertura de negociação comercial com o governo Donald Trump, para evitar eventuais retaliações norte-americanas.

“A tendência é deixar cair (a cota) e sentar à mesa com os americanos para combinar um novo pacote, mais equilibrado”, disse a fonte, que falou na condição de anonimato.

“Deixa vencer (e volta a taxa de 20%)… e aí começa uma nova negociação do zero”, acrescentou.

Uma negociação, contudo, dependeria de vontade política de Trump, que vem sendo pressionado por produtores em seu país a impor uma tarifa de importação, caso o Brasil não elimine a sua.

Não foi possível confirmar imediatamente a informação com representantes do governo.

Mais cedo, o jornal Valor Econômico publicou em sua versão online que o Brasil não renovará a cota de importação de etanol com tarifa zero, citando fontes do governo.

A não renovação da cota anual é um pedido do poderoso lobby agrícola no Brasil.

No entanto, ao agradar o setor agrícola, o presidente Jair Bolsonaro desagradaria Trump e produtores de etanol e de milho antes da eleição dos EUA em um momento em que as vendas de combustível estão baixas devido à pandemia.

Evandro Gussi, presidente da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), disse anteriormente que qualquer liberalização no comércio de etanol deve ser seguida por um movimento para reduzir o imposto de importação dos EUA sobre o açúcar brasileiro.

A Unica acredita que de outra forma não haverá ganho para o Brasil renovar a cota ou eliminar a tarifa.

Anteriormente, a fonte havia afirmado à Reuters que a discussão fora retirada da reunião da semana passada da Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão interministerial que define essas questões.

Na ocasião a fonte disse que a negociação com os EUA poderia tomar três caminhos: livre comércio de etanol por livre comércio em açúcar; manutenção do regime de cotas, com uma calibragem na quantidade e distribuição ao longo do ano; e fim do regime de cotas com uma calibragem na tarifa.

A fonte disse ainda que a opção mais realista é a segunda, com a manutenção do regime de cotas.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.