WASHINGTON (Reuters) – O YouTube anunciou nesta quarta-feira que bloqueará qualquer conteúdo antivacina, indo além da Covid-19 e incluindo todo conteúdo que alegar que vacinas causam efeitos de saúde crônicos ou que contenham desinformação sobre as substâncias das vacinas.

A empresa de vídeos digitais da Alphabet também está barrando ativistas antivacina destacados e desligando vários canais, noticiou o jornal Washington Post nesta quarta-feira, incluindo Robert F. Kennedy Jr. e Joseph Mercola, figuras do movimento antivacina há tempos.

A medida chega no momento em que o YouTube e outros gigantes da tecnologia, como Facebook e Twitter, são criticados por não fazerem o bastante para deter a disseminação de informações de saúde falsas.

Na terça-feira, os canais em alemão da emissora russa RT de apoio estatal foram apagados da plataforma, que disse que estes violaram sua política de desinformação sobre Covid-19.

Nesta quarta-feira, a Rússia qualificou a medida como uma “agressão de informação inédita” e ameaçou bloquear o YouTube.

(Por Susan Heavey em Washington e Sheila Dang em Dallas)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).