Por Yadarisa Shabong e Pushkala Aripaka

(Reuters) – O órgão regulador de concorrência do Reino Unido informou nesta terça-feira que instruiu a Meta Platforms, dona do Facebook, a vender a plataforma de imagens animadas Giphy, após apontar que o acordo poderia prejudicar usuários de mídia social e anunciantes britânicos.

A Autoridade de Concorrência e Mercado (CMA, na sigla em inglês) disse nesta terça que a decisão vai de acordo com as conclusões provisórias que indicam que a aquisição da empresa Giphy pelo Facebook, em maio do ano passado, reduziria a concorrência entre empresas, plataformas de mídia social e no mercado de publicidade gráfica.

“A fusão entre o Facebook e o Giphy já eliminou um potencial concorrente no mercado de publicidade gráfica”, disse Stuart McIntosh, que liderou a investigação independente Facebook-Giphy para o CMA.

“Ao exigir que o Facebook venda o Giphy, estamos protegendo milhões de usuários de mídia social e promovendo a concorrência e a inovação na publicidade digital”, acrescentou.

O Facebook disse que pode recorrer da decisão do CMA.

“Estamos revisando a decisão e considerando todas as opções, incluindo o recurso”, disse um porta-voz da Meta em um comunicado.

Em outubro, o CMA impôs cerca de 70 milhões de dólares à empresa por violar uma ordem imposta durante sua investigação sobre o negócio, tendo sugerido em agosto que o Facebook poderia precisar vender o Giphy.

Em maio de 2020, o Facebook comprou o Giphy, um site para criar e compartilhar imagens animadas, ou GIFs, por 400 milhões de dólares –de acordo com a imprensa– para integrá-lo em seu aplicativo de compartilhamento de fotos Instagram.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447500))

REUTERS BC PF

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).