BERLIM (Reuters) – A principal autoridade alemã de proteção de dados proibiu o Facebook de processar informações pessoais de usuários do WhatsApp porque considera como ilegais os novos termos de uso impostos pelo aplicativo.

A decisão ocorreu depois que um caso foi aberto pelo regulador na cidade de Hamburgo no mês passado, após o WhatsApp exigir que os usuários aceitem ter seus dados compartilhados com o Facebook sob pena de terem de ficar sem usar o aplicativo.

“Meu objetivo é evitar os danos associados a tal procedimento”, afirmou Jonhannes Caspar, da agência de proteção de dados de Hamburgo.

Caspar, que lidera a supervisão alemã do Facebook diante do sistema federal do país, anunciou a decisão antes do prazo de 15 de maio dado pelo WhatsApp para usuários aceitarem seus novos termos de uso.

O WhatsApp afirmou que a decisão da autoridade de Hamburgo é baseada em uma grande erro de julgamento sobre causa e efeito da atualização dos termos e portanto não tem base de legitimidade.

“Como as afirmações da autoridade de Hamburgo são erradas, a decisão não vai impactar o lançamento da atualização dos termos de uso. Continuamos totalmente comprometidos em entregar comunicações seguras e privadas para todos”, afirmou um porta-voz do WhatsApp.

Caspar disse que está usando seu poder para impor uma proibição de três meses sobre a coleta de dados de usuários do WhatsApp pelo Facebook com base no código de proteção de privacidade da Europa, conhecido como GDPR.

(Por Douglas Busvine)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447753))

REUTERS AAJ PAL

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).