Por Emma Farge

GENEBRA (Reuters) – Planos para os primeiros pólos independentes de produção de vacinas contra Covid-19 na África poderiam revolucionar a indústria global de vacinas, mas dependerão da disposição das farmacêuticas para compartilhar sua tecnologia, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira.

Na semana passada, a agência de saúde sediada em Genebra disse que está montando um pólo com a África do Sul para dar a países mais pobres as ferramentas para produzir suas próprias vacinas contra Covid-19 usando a tecnologia de RNA mensageiro empregada atualmente nos imunizantes da Moderna e da Pfizer.

Agnès Buzyn, emissária de assuntos multilaterais da OMS, disse que vários outros países africanos e asiáticos também se inscreveram e que conversas com o Senegal e a Tunísia estão “bastante avançadas”.

“Você pode chamá-lo de revolucionário, já que nunca foi vislumbrado antes com esta velocidade e esta ambição”, disse Buzyn. “A pergunta crucial é: será que aqueles da indústria com a tecnologia mais avançada aceitarão transferi-la?”

A OMS está conversando com Pfizer e Moderna, mas não está claro se elas aceitarão compartilhar sua tecnologia, o que pode minar vendas futuras. Embora a última tenha dito que não aplicará patentes de sua vacina durante a pandemia, alguns especialistas de saúde dizem que o que é necessário com mais urgência para ampliar a fabricação é know-how.

Mas mesmo sem nenhuma ajuda das gigantes farmacêuticas, start-ups poderiam preencher a lacuna, ainda que sua tecnologia de RNA mensageiro esteja “menos madura”, disse Buzyn.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).