BRASÍLIA (Reuters) -O senador Humberto Costa (PT-PE) disse nesta quinta-feira ter apresentado à CPI da Covid requerimento em que pede a convocação do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, após este ter defendido que a Polícia Federal investigue o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) e o irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda, no episódio envolvendo a compra da vacina Covaxin pelo governo federal.

Na véspera, o deputado disse que apresentou, junto com seu irmão, diversas irregularidades sobre o processo de compra da Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech, ao presidente Jair Bolsonaro em uma reunião no Palácio da Alvorada.

Em resposta, Onyx disse em pronunciamento no Palácio do Planalto que não houve qualquer irregularidade na negociação e que Bolsonaro determinou que a PF investige o parlamentar e seu irmão por denunciação caluniosa.

Em evento no Rio Grande do Norte nesta quinta, Bolsonaro procurou minimizar as suspeitas de irregularidades no processo de compra do imunizante indiano, que está sendo investigado pela CPI e pelo Ministério Público Federal (MPF).

“Não adianta inventar vacina, porque não recebemos uma dose sequer dessa que entrou na ordem do dia da imprensa ontem (quarta)”, disse o presidente.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também procurou mostrar tranquilidade sobre o tema, ao mesmo tempo que repetiu estar trabalhando para garantir uma maior oferta de vacinas aos brasileiros.

“Preocupação do Ministério da Saúde com esse assunto Covaxin é zero. Zero!”, garantiu Queiroga a jornalistas.

Em um comunicado, a Bharat disse que ainda não enviou doses ao país enquanto aguardava aprovação regulatória e um pedido formal de compra.

BRAVATA

Na CPI, Humberto Costa disse que, em pronunciamento na véspera, Onyx tentou coagir os irmãos Miranda no episódio ao dizer, de antemão, que eles estão mentindo e vão responder por denunciação caluniosa –imputar crime falso a alguém. Os dois vão depor à CPI na sexta-feira.

Durante a audiência da CPI desta quinta, o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), disse que Onyx fez bravata e que cometeu crime. Alertou que, se o ministro continuar a reincidir, poderá ser alvo de um mandado de prisão.

Em entrevista esta manhã ao jornalista José Luiz Datena, Onyx adiantou que, se for chamado, vai comparecer à comissão, acrescentando considerar uma “honra” para qualquer ministro ser chamado para falar no Congresso e se colocou à disposição para ir à CPI.

“Se for convidado ou convocado, eu vou com total tranquilidade e me sentirei honrado em prestar todos os esclarecimentos”, afirmou ele.

(Reportagem de Ricardo BritoEdição de Alexandre Caverni)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).