Os cibercriminosos estão aplicado golpes de cartão de crédito cada vez mais sofisticados. A novidade é que agora eles estão atacando as ferramentas de proteção que foram criadas para verificar a autenticidade das transações.

Segundo a NS Prevention, especializada em inteligência e contrainteligência cibernética, os bandidos estão removendo as proteções de autenticação das transações, como o envio de SMS e push avisando sobre compras realizadas com cartão.

“Sabe aquele SMS ou push que o banco envia para avisá-lo a respeito de uma compra? É justamente esse serviço que os atacantes têm concentrado esforços para burlar”, explica Adriano Vallim, diretor de inteligência cibernética do Grupo New Space.

O que os bandidos ganham com isso? Mais tempo para realizar transações fraudulentas no cartão da vítima, que não será avisada daquelas movimentações.

Como as notificações são desativadas? A New Space diz que os bandidos se fazem passar pelas vítimas e desativam essas notificações nos canais de atendimento dos bancos. Informações pra isso não faltam, já que vários dados já foram vazados.

“Hoje em dia é muito fácil você conseguir o nome completo, endereço, CPF, e-mail, entre outros dados necessários para que o fraudador possa validar que é a vítima e ludibrie as instituições financeiras”, afirma Vallim.

E como os bandidos usam o cartão da vítima? Normalmente em compras online, pagamento de conta ou serviço, desvio dos recursos, contratação de crédito. Quando o bandido acessa esses dados, tem pouco tempo para realizar essas ações. Se desativar as notificações, seu tempo aumenta um pouco.

Como é esse golpe? O golpe se chama ‘remoção do anjo’.  Numa investigação de rotina, a New Space descobriu o termo junto a uma oferta de credenciais de cartão de crédito. Após interagir com o fraudador, descobriu alguns detalhes do golpe.

“Apenas a venda das credenciais já não está mais sendo rentável e relevante no mercado, por isso que temos notado cada vez mais ofertas conjuntas e algumas até com ‘grupo de referência’, ou seja, um local em que ‘os seus clientes’ atestam que os produtos ilícitos que foram comercializados deram certo.”, diz Vallim.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).