Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta terça-feira que o governo federal vai incentivar o uso eficiente da energia pelos consumidores de maneira voluntária, recuando de fala de mais cedo em que havia dito que o país passaria por um racionamento de energia “educativo” diante da crise hídrica que enfrenta.

“Falei há pouco com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que esclareceu que a Medida Provisória não irá trazer qualquer comando relativo ao racionamento de energia. Será feito o incentivo ao uso eficiente da energia pelos consumidores de maneira voluntária”, disse Lira no Twitter.

Mais cedo, em entrevista a jornalistas, o deputado relatou conversa com Albuquerque na semana passada e citou o que chamou de racionamento “educativo” como medida para evitar um agravamento futuro do problema.

“O ministro Bento esteve comigo, fazendo uma análise do cenário, garantindo que nós não vamos ter nenhum tipo de problema de apagão. Mas vamos ter que ter um período educativo aí de algum racionamento para não ter nenhum tipo de crise maior”, disse o presidente da Câmara após cerimônia no Palácio do Planalto.

“Ele esteve lá na residência oficial na semana passada, mas muito ´en passant´, nada específico sobre o tema, nada com o texto ainda, mas com a perspectiva de que estavam tratando de alguma medida para isso, negociando, inclusive dentro do Supremo para ter segurança jurídica sobre qualquer medida que pudesse vir a anunciar”, completou.

O ministro de Minas e Energia vem afirmando que o governo brasileiro não trabalha com a hipótese de racionamento de energia em meio à crise hídrica. Também vem alertando que, por conta de um maior despacho de eletricidade termelétrica, o consumidor pagará mais.

Sobre o processo de sanção da MP da privatização da Eletrobras, que teve sua tramitação concluída pelo Congresso na segunda-feira, Lira disse não ver motivo para eventuais vetos.

“O texto da Câmara foi um texto consensuado com o governo. O texto do Senado, no que o governo não concordou, o relator retirou e a Câmara manteve. Então não vejo razão para veto”, disse o presidente da Câmara.

“A expectativa é passar absolutamente sem nenhum veto.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).