O WhatsApp determinou que sábado (15) é a data limite para que usuários de todo o mundo aceitem as novas condições de uso do aplicativo. Caso isso não ocorra, algumas funções poderão ficar indisponíveis.

E se o termo não for aceito até sábado?

Muita gente já aceitou a atualização sem nem perceber. Quem ainda precisa fazer isso, deve receber notificações do aplicativo. Para verificar se os termos e Políticas de Privacidade estão atualizados, o usuário deve acessar “Configurações”, “Ajuda” e depois “Termos e Política de Privacidade”.

Avisos persistentes. Se mesmo após o dia 15 os termos não tiverem sido aceitos, o usuário passará a receber avisos de forma cada vez mais persistente.

Mensagens restritas. Após o período de insistência, o envio e a leitura de mensagens ficará restrito. Os usuários só poderão realizar o acesso por meio de notificações. Não será mais possível ver a lista de conversas.

Mensagens e chamadas bloqueadas. Após algumas semanas com a funcionalidade limitada, o WhatsApp deixará de enviar mensagens e chamadas para o telefone.

Conta inativa. A partir daí, entra em vigor a política que o aplicativo dirige hoje às contas inativas. Segundo as regras, se o serviço de mensagens não for usado por 120 dias, a conta é excluída.

O que muda? 

O ponto principal da mudança é o maior compartilhamento de dados entre a plataforma e o seu dono, o Facebook. “As mudanças na atualização são relacionadas aos recursos comerciais e opcionais do WhatsApp, e fornecem mais informações sobre como nós coletamos e usamos esses dados”, esclareceu a empresa.

Interação com lojas: De acordo com os novos termos, dados gerados em interações com contas comerciais, como as de lojas que atendem pelo WhatsApp, poderão ser utilizados pelas empresas para direcionar seus anúncios no Facebook e no Instagram. O usuário que escolher interagir com a loja, receberá um aviso informando como seus dados serão compartilhados com as outras redes.

Coleta de informações. Além disso, informações às quais o aplicativo não tinha acesso, passarão a ser coletadas. Entre elas estão operadora de celular, potência do sinal da operadora, carga da bateria e identificadores do Facebook, Messenger e Instagram que tornam possível o cruzamento de dados de um mesmo usuário nas três plataformas.]

O que permanece?

Criptografia: As mensagens continuam protegidas por criptografia de ponta a ponta. Isso quer dizer que o WhatsApp e o Facebook não podem ter acesso ao conteúdo das conversas no aplicativo.

Contatos privados: As listas de contatos do Whatsapp não serão compartilhadas com o Facebook e a empresa segue sem manter registros sobre com quem os usuários estão conversando.

Leia também: Clonagem de WhatsApp faz 15 mil vítimas por dia no Brasil – saiba como evitá-la

Leia também: Pagamento por WhatsApp facilita vida do consumidor e intensifica guerra por clientes

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).