O Instagram lançou mundialmente a função Reels, inspirada no TikTok, nesta quarta-feira, 5. O recurso, que permite que o usuário edite clipes de 15 segundos, chegou primeiro ao Brasil no início de julho como um teste de audiência. O anúncio acontece uma semana depois do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, defender as estratégias de imitação da empresa para os legisladores dos EUA durante uma audiência antitruste.

O produto será incorporado ao Instagram nos Estados Unidos e em 50 outros países, e segue a tendência da empresa de se inspirar em outros concorrentes para criar novas funções, como o Instagram Stories, usado para postar vídeos e fotos que desaparecem, que foi imitado no Snapchat.

Momento favorável
O Reels não é a primeira tentativa do Facebook de desafiar o TikTok. O Lasso do Facebook, um aplicativo separado com recursos semelhantes, testado em mercados limitados, foi encerrado em julho depois de não ter conquistado uma audiência.

O TikTok, aplicativo da empresa chinesa ByteDance, enfrenta uma série de proibições nos Estados Unidos, e está discutindo uma possível cisão ou venda a um proprietário americano, possivelmente a Microsoft Corp. O presidente Donald Trump e outras autoridades afirmam que o aplicativo é uma ameaça à segurança nacional do país, pois daria acesso ao governo chinês de dados dos cidadãos americanos. O TikTok negou repetidamente as alegações.

O formato de vídeo do aplicativo, no entanto, também não é uma criação da empresa chinesa, já que foi popularizado pelo Vine, de propriedade do Twitter, lançado em 2013 e encerrado antes da ascensão do TikTok.

Reação dos criadores
A pressão de Trump levou alguns criadores do TikTok a redirecionar seu público para o Instagram, esperando um futuro mais estável, caso o aplicativo seja banido. Os vídeos do Reels serão exibidos na guia “explorar” do Instagram, na qual as pessoas podem ver o conteúdo também de contas não estão seguindo. O benefício de incluir o formato no Instagram, disse Vishal Shah, chefe de produto do aplicativo, é a rede existente de mais de 1 bilhão de usuários. Segundo ele, é mais difícil convencer as pessoas a baixar um novo aplicativo do que usar um que já possuem.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).