Por Joseph White e Ben Klayman

DETROIT (Reuters) – A presidente-executiva da General Motors, Mary Barra, disse aos investidores nesta quarta-feira que a montadora planeja dobrar a receita até 2030, expandindo os lucros dos veículos a combustão conforme lança novos carros elétricos e serviços controlados digitalmente na tentativa de ultrapassar a Tesla.

Se a GM tiver sucesso, sua receita anual em 2030 será de cerca de 244 bilhões de dólares, e a montadora será a líder em vendas de carros elétricos nos Estados Unidos. Considerando a atual margem de 12% de lucro bruto da GM, isso implicaria em lucros brutos anuais de até 29 bilhões de dólares. Fontes disseram à Reuters anteriormente que a GM divulgará um crescimento impressionante de receita e expansão de margem.

As ambiciosas metas financeiras de Barra para 2030 são o mais recente impulso em sua campanha para convencer os investidores de que a General Motors, e não a Tesla, pode ser a líder tanto em desenvolvimento de tecnologia quanto em lucratividade, enquanto a indústria automobilística navega pela mais profunda revolução tecnológica desde o Ford Modelo T, produzido em massa.

Barra e outros executivos da GM iniciaram uma série de apresentações para investidores, que durará dois dias, no Centro Técnico da montadora em Warren, Michigan, argumentando que a GM pode se transformar “de montadora a uma plataforma de inovação” – uma referência às empresas de plataforma digital do Vale do Silício, como a Apple, que tem avaliações de ações muito mais altas do que a GM e outras fabricantes de automóveis existentes.

Barra, que assumiu o comando em 2014, elevou o preço das ações da empresa de uma faixa estreita em torno de seu preço de oferta pública inicial de 2010 de 33 dólares para quase o dobro até certo ponto. As ações eram negociadas a cerca de 54 dólares cada nesta quarta-feira.

Mas com uma capitalização de mercado de cerca de 78 bilhões de dólares, a GM permanece muito atrás da capitalização de mercado da Tesla, de 773 bilhões de dólares, refletindo o ceticismo do investidor de que a GM pode igualar as proezas de bateria e software da Tesla.

Barra e o presidente da GM, Mark Reuss, traçaram um plano para uma transição para uma frota totalmente elétrica até 2035, que começaria gradualmente e depois se aceleraria entre 2030 e 2035. Em 2030, mais da metade das fábricas da GM na China e na América do Norte serão “capazes de produzir veículos elétricos”.

(Por Joe White e Ben Klayman, reportagem adicional de Paul Lienert)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).