XANGAI (Reuters) – A Tesla suspendeu os planos de comprar área para expandir sua fábrica em Xangai e torná-la um centro de exportação global, disseram fontes a par do assunto, em razão da incerteza criada por tensões entre Estados Unidos e China.

A fabricante norte-americana de carros elétricos agora pretende limitar a proporção da produção da China em sua produção global, afirmaram duas das quatro fontes.

A Tesla havia considerado anteriormente expandir as exportações de seu Model 3 feito na China para mais mercados, incluindo os EUA, disseram fontes à Reuters, um plano que não havia sido divulgado anteriormente.

A Tesla atualmente envia veículos Model 3s fabricados na China para a Europa, onde está construindo uma fábrica na Alemanha.

A fábrica da Tesla em Xangai foi projetada para produzir até 500.000 carros por ano e atualmente está produzindo veículos Model 3 e Model Y a uma taxa de 450.000 unidades por ano.

Em março, a Tesla desistiu de fazer uma oferta por um terreno do outro lado da estrada da fábrica, uma vez que não pretendia mais aumentar significativamente a capacidade de produção da China, pelo menos por agora, afirmam três fontes.

Em um comunicado à Reuters, a Tesla disse que sua fábrica em Xangai estava “se desenvolvendo conforme o planejado”.

O governo da cidade de Xangai, um dos principais apoiadores do estabelecimento da Tesla de uma fábrica de propriedade integral na China – a primeira e única fábrica estrangeira de automóveis de passageiros não obrigada a formar uma joint venture – não respondeu a um pedido de comentário.

A Tesla nunca declarou a intenção de adquirir o terreno, que tem cerca de metade do tamanho do terreno de 200 acres (80 hectares) que abriga as instalações atuais da Tesla e permitiria à empresa aumentar a capacidade em mais 200.000 a 300.000 carros, disseram duas fontes.

(Reportagem de Zhang Yan em Xangai e Yilei Sun e Tony Munroe em Pequim; reportagem adicional de Hyunjoo Jin em San Francisco)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).