(Reuters) – A cidade de Pequim está considerando colocar a Didi sob controle estatal e propôs que empresas do governo invistam na plataforma de transporte de passageiros por aplicativo, segundo a Bloomberg News.

O impulso central da proposta do governo local é recuperar o controle sobre uma das suas maiores corporações e principalmente dos dados que ela possui, afirmou a Bloomberg.

O governo chinês intensificou a regulação sobre empresas de tecnologia no último ano, para ampliar a concorrência, a gestão de dados e o tratamento dos funcionários.

Sob a proposta preliminar, algumas empresas sediadas em Pequim, incluindo o Shouqi Group, parte da estatal Beijing Tourism, comprariam ações na Didi, publicou a Bloomberg, citando pessoas não identificadas com conhecimento do assunto.

Outros cenários em avaliação incluem um consórcio levando uma ação nominal acompanhada pela chamada “golden share”, com poder de veto e um assento no conselho, acrescentou.

Didi, município de Pequim, Beijing Tourism e Shouqi não responderam de imediato a pedidos da Reuters por comentários.

O Wall Street Journal publicou em julho que a Didi avaliava fechar o capital para aplacar preocupações da China relacionadas à segurança de dados e compensar perdas de investidores desde que foi listada nos EUA. Isso foi depois negado pela Didi.

“Estávamos esperando alguma ação, mas não dessa magnitude. A grande questão é o que acontecerá com os investidores da Didi?”, disse o chefe de pesquisas asiáticas na consultoria de investimentos United First Partners, em Cingapura.

Outros afirmaram que investidores do mercado de ações pareceram gostar da suposta proposta.

O arranjo da golden share que estaria sendo considerado seria similar ao investimento que o governo chinês fez na ByteDance, dona do TikTok, disse a Bloomberg.

Registros corporativos mostraram que o governo Chinês tem 1% de ações em unidades da ByteDance e da Sina Weibo.

A Didi é alvo de investigação de cibersegurança das autoridades chinesas.

A Reuters publicou em agosto, citando pessoas com conhecimento do assunto, que a Didi conversava com a empresa estatal de segurança da informação Westone para tocar sua gestão de dados e atividades de monitoramento.

A Didi, que no Brasil é dona da 99, tem SoftBank, Uber e Alibaba entre os sócios.

(Por Chavi Mehta em Bengaluru, Yilei Sun em Pequim, Brenda Goh em Xangai, Anshuman Daga em Hong Kong e Tom Westbrook em Cingapura)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).