Por Stephen Nellis

(Reuters) – O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, ocupará nesta sexta-feira o banco das testemunhas para defender a App Store, uma parte em expansão dos negócios da fabricante do iPhone que a Epic Games, dona “Fortnite”, diz ser um monopólio que a Apple abusa.

Espera-se que Cook passe mais de duas horas fazendo o que provavelmente serão seus comentários públicos mais extensos sobre o negócio da App Store, que é a âncora do negócio de serviços de 53,8 bilhões de dólares da Apple.

A Epic empreendeu uma campanha legal e de relações públicas, argumentando que a Apple age anticompetitivamente, permitindo apenas aplicativos que aprova em 1 bilhão de iPhones do mundo e forçando os desenvolvedores a usar o sistema de pagamento no aplicativo da Apple, que cobra taxas de até 30% sobre as vendas.

O julgamento antitruste em um tribunal federal em Oakland, Califórnia, ocorre no momento em que a Apple enfrenta um coro de críticas de fabricantes de aplicativos, incluindo o serviço de música Spotify Technology e políticos norte-americanos que dizem que a empresa com capital aberto mais valiosa dos Estados Unidos tenta esmagar a pequena concorrência.

O presidente-executivo da Epic, Tim Sweeney, deu início ao julgamento como a primeira testemunha da empresa, usando seu tempo para argumentar que “Fortnite” se tornou um lugar para os jogadores se reunirem em um mundo virtual que ele chama de “metaverso” e que a Apple está exigindo injustamente um corte exagerado de lucros por fornecer tecnologia de processamento de pagamento simples.

Os advogados da Apple disseram que planejam pedir a Cook que testemunhe sobre os valores corporativos da Apple, como a App Store surgiu e o cenário competitivo da Apple. Durante o julgamento, a Apple tentou persuadir a juíza Yvonne Gonzalez Rogers de que quaisquer regras que impõe aos desenvolvedores têm como objetivo manter as informações de seus clientes privadas e protegidas contra malware.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).