Por Richard Lough e Elizabeth Pineau

PARIS (Reuters) – Os conservadores da França arrasaram a extrema-direita e humilharam o partido de centro do presidente Emmanuel Macron nas eleições regionais de domingo, abalando a cena política francesa e afirmando que, a partir de agora, a eleição presidencial de 2022 será uma disputa de três partes.

Xavier Bertrand, ex-vendedor de seguros e agora presidenciável em potencial, disse que o ressurgimento da centro-direita nas disputas regionais a deixou mais forte para desafiar Macron e Le Pen, que dominam a política francesa desde 2017.

A recuperação da centro-direita sugere o esquecimento dos problemas do último governo conservador de Nicolas Sarkozy, assim como reflete as dificuldades de Macron para rejuvenescer a política francesa e a incapacidade da extrema-direita de ampliar seu apelo nacionalmente.

“Agora a disputa presidencial é uma corrida de três cavalos”, disse Bertrand ao jornal de negócios Les Échos ao dobrar a aposta de que liderará a ofensiva conservadora no ano que vem.

Bertrand, que é ridicularizado por alguns adversários que o veem como um político provinciano acima do peso, derrotou a extrema-direita com tranquilidade no norte, um bastião de Le Pen onde o crime e o declínio da indústria local lideram as preocupações dos eleitores, e se reelegeu como líder da região.

Os partidos franceses convencionais tiveram dificuldade de se recuperar depois que Macron dinamitou a divisão esquerda-direita tradicional em 2017, e a votação de domingo mostrou o antigo sistema ensaiando um retorno.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).