Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) – Qualquer moeda digital que o Banco do Japão (BOJ) emita deve ter um design simples que as empresas possam usar para desenvolver serviços financeiros e de pagamento para clientes, disse um alto funcionário do banco central na sexta-feira.

Se os bancos centrais decidirem emitir moedas digitais, eles precisam coexistir com os serviços de pagamento do setor privado, disse o diretor-executivo do BOJ, Shinichi Uchida.

“Para alcançar a coexistência vertical, um projeto relativamente simples de moeda digital do banco central (CBDC, sigla em inglês) é desejável para o setor privado usá-lo como um ingrediente” para desenvolver vários serviços, disse Uchida.

Empresas poderiam desenvolver serviços que permitam aos clientes usar tanto o CBDC quanto outros meios de pagamento numa única carteira, acrescentou ele.

O BOJ passará à segunda fase de testes do CBDC a partir de abril de 2022, com foco em algumas características-chave, como definir um limite para o valor que cada entidade pode reter.

Os bancos centrais globais têm intensificado esforços para desenvolver suas próprias moedas digitais para modernizar os sistemas financeiros e acelerar os pagamentos.

O BOJ disse que atualmente não tem planos de emitir CBDC, mas montou um painel regular para trocar pontos de vista com o setor privado como parte dos esforços para garantir que qualquer moeda digital que emita não reprima a inovação.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).