Assistir a sua série preferida na televisão tem o mesmo impacto ambiental de ferver água em uma chaleira por seis minutos ou estourar quatro pacotes de pipoca no micro-ondas, segundo um estudo feito pela empresa Carbon Trust.

As informações da pesquisa são uma boa notícia para empresas de streaming como a Netflix, já que mostra que a pegada de carbono dos serviços de streaming são menores do que se imaginava no passado.

O estudo também apresentou formas como as companhias do setor de entretenimento podem cortar emissões de carbono na geração de seus produtos.

Como a maioria das indústrias, a cinematográfica está em busca de alternativas para reduzir as emissões e ajudar a diminuir os impactos do trabalho sobre o meio ambiente.

“Existia muita desinformação e desentendimento sobre a real emissão de carbono provocada por companhias de streaming. Nós queremos analisar melhor esta questão e ajudar a aumentar o conhecimento que existe sobre o assunto”, afirma Andie Stephens, diretor associado da Carbon Trust.

A pesquisa mostrou que uma hora de streaming emite cerca de 55 gramas de dióxido de carbono na atmosfera, considerando usuários da Europa. Metade das emissões vêm do dispositivo usado e o restante, de roteadores de internet domésticos e redes de distribuição.

Mas será que assistir em alta definição emite mais carbono? A pesquisa aponta que isso faz pouca diferença.

Mesmo que houve uma disparada na procura por serviços de streaming durante a pandemia, a quantidade de energia consumida por essas atividades caiu, já que os equipamentos estão se tornando cada vez mais eficientes e há um aumento da popularização da energia verde.

Em março, um grupo formado por empresas de mídia e por pesquisadores da Universidade Bristol do Reino Unido, chamado Dimpact, criou uma calculadora de carbono. Usando a ferramenta, a Netflix disse que cerca de uma hora de streaming emitiu menos de 100 gramas de CO2. Segundo a chefe de sustentabilidade da empresa, Emma Stewart, o novo estudo da Carbon Trust valida o trabalho que estão realizando.

O objetivo da Netflix é atingir zero emissões líquidas de gases de efeito estufa até o final de 2022, sendo que cerca de 50% das que existem hoje vêm da produção física de novos conteúdos e 45% de operações corporativas.

A empresa não inclui o uso da web de seus clientes no cálculo de sua pegada de carbono, embora Stewart diga que eles podem encorajar os parceiros a fazer dispositivos mais limpos e os clientes optarem pelas chamadas tarifas verdes, que adicionam mais energia renovável à rede.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).