(Reuters) – A Apple está trabalhando com mais fornecedores chineses para produzir seus mais recentes iPhones, publicou o jornal japonês Nikkei nesta quarta-feira, enquanto uma disputa tecnológica decorrente de uma guerra comercial com os Estados Unidos leva Pequim a fortalecer as empresas nacionais.

A fabricante do iPhone alertou para escassez de suprimentos, já que as tensões comerciais EUA-China e a pandemia da Covid-19 intensificaram a pressão nas cadeias globais de fornecimento.

De acordo com a reportagem do Nikkei, a Luxshare Precision irá montar até 3% da série do iPhone 13, a Lens Tech fornecerá invólucros de metal e a Sunny Optical Tech Group fornecerá as lentes da câmera traseira. O BOE Tech também fornecerá componentes.

O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, disse em julho que havia “algumas faltas” e que era difícil obter todo o conjunto de peças dentro dos prazos de entrega.

“A empresa está puxando todas as alavancas que pode, do ponto de vista da cadeia de abastecimento global (incluindo a China) para minimizar a interrupção de suas vendas”, disse Tom Forte, analista da DA Davidson.

“Tim Cook é parte presidente e parte diplomata … Cook provou ser capaz de permitir que a Apple continue a alavancar a China do ponto de vista da cadeia de suprimentos e gerar muitas receitas com a venda de produtos aos consumidores chineses.”

A Apple não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

(Reportagem de Derek Francis e Nivedita Balu em Bengaluru)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).