A Apple informou que vai suspender seu programa interno global para “avaliar” parte das consultas dos usuários à assistente virtual Siri depois que alguns consumidores questionaram a privacidade do programa. A empresa emprega pessoas que ouvem menos de 1% dos comandos da Siri para melhorar o desempenho da assistente digital por comando de voz.

O que esses funcionários conseguem ouvir? Terceirizados da Apple disseram que frequentemente ouvem relações sexuais, tráfico de drogas e informações médicas confidenciais, segundo reportagem do The Guardian.

Essa é uma prática exclusiva da Apple? Outras empresas também adotam a mesma estratégia, caso da Amazon e Google. A Amazon, por exemplo, emprega milhares de pessoas em todo o mundo para ouvir gravações de voz capturadas por sua linha de alto-falantes Echo em residências e escritórios de proprietários, com o objetivo de melhorar o desempenho de sua assistente digital Alexa.

O que a Apple diz sobre essas escutas? As gravações analisadas não têm informações de identificação pessoal e são armazenadas por seis meses, vinculadas a um identificador aleatório, de acordo com um documento de segurança da Apple. A empresa não informa diretamente no iOS que usa uma parte das gravações para o seu processo de “avaliação”, mas menciona a prática no livro branco.

O que a empresa promete fazer agora? A Apple diz que vai proteger a privacidade do usuário e realizar uma revisão completa do sistema. “Enquanto realizamos uma revisão completa, vamos suspender a avaliação da Siri globalmente. Além disso, como parte de uma futura atualização do software, os usuários poderão optar em participar da avaliação.”

(Com Bloomberg)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).