A equipe de pagamentos da Amazon está explorando a possibilidade de os clientes usarem criptomoedas para pagar seus pedidos. Pelo menos é isso que dá a entender um anúncio online de emprego publicado na semana passada pela empresa, que está em busca um “diretor de produto de moeda digital e blockchain.”

A mera publicação do anúncio provocou valorização da Bitcoin, cuja cotação chegou a quase US$ 40 mil. As ações da Amazon ganharam cerca de 1% em Nova York às 10h22.

“Você aproveitará sua expertise em blockchain, moedas digitais do Banco Central e criptomoedas para desenvolver novos recursos”, diz a postagem. “Você trabalhará em estreita colaboração com as equipes da Amazon, incluindo a AWS [AWS, ou Amazon Web Services, é o grupo de computação em nuvem da Amazon, que desenvolve softwares e produtos de tecnologia para outras empresas], para desenvolver o roteiro, incluindo a experiência do cliente, estratégia técnica e recursos, bem como a estratégia de lançamento.”

A Amazon é uma empresa em expansão e apoia uma ampla gama de experimentos, o que significa que as iniciativas citadas em anúncios de emprego nem sempre se tornam novos produtos. Mas a empresa confirmou seu interesse em criptomoedas, tokens digitais populares entre os compradores mais jovens e experientes em tecnologia.

“Estamos inspirados pela inovação que está acontecendo no espaço das criptomoedas e estamos explorando como isso poderia ser na Amazon. Acreditamos que o futuro será construído com base em novas tecnologias que permitirão pagamentos modernos, rápidos e baratos e esperamos levar esse futuro aos clientes da Amazon o mais rápido possível”, disse a empresa em um comunicado, depois que o anúncio de emprego ganhou repercussão.

A Amazon atualmente não permite que os clientes paguem com criptomoedas. Mas a AWS vende um produto de infraestrutura de tecnologia blockchain.

Outras empresas também flertam com criptomoedas

Outras empresas de tecnologia avançaram recentemente no mercado de criptomoedas. Em abril, a PayPal Holdings Inc. começou a permitir que clientes selecionados de seu aplicativo Venmo comprassem, vendessem e mantivessem moedas digitais. Depois de adicionar transações de criptomoedas ao aplicativo do PayPal, a empresa disse que as pessoas que usam o recurso se conectam duas vezes mais do que antes da mudança.

A Tesla Inc., liderada pelo bilionário Elon Musk, ainda está hesitante sobre o assunto criptomoedas. A empresa chegou a aceitar Bitcoin para compras, mas desistiu em maio, citando preocupações sobre o uso de combustíveis fósseis na mineração de criptografia. Musk disse este mês que a montadora de carros elétricos provavelmente retomará a aceitação de criptomoedas conforme a mineração de Bitcoin se deslocar para mais energia renovável.

Em um evento há alguns anos, o CEO da Amazon, Andy Jassy, ​​disse que a empresa estava observando de perto os desenvolvimentos do blockchain, mas adotou um tom cético sobre a tecnologia.

“Ainda não vemos muitos casos de uso prático para blockchain”, disse Jassy em uma coletiva de imprensa em um evento da empresa em 2017, quando liderou a AWS. “Não criamos tecnologia porque achamos que ela é legal, só a criamos se acharmos que podemos resolver um problema do cliente e construir esse serviço é a melhor maneira de resolvê-lo.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).