Por Sarah Wu

TAIPÉ (Reuters) – A probabilidade de uma guerra com a China no ano que vem é “muito baixa”, disse uma autoridade de segurança de alto escalão de Taiwan a parlamentares nesta quarta-feira em meio a tensões acentuadas entre Taipé e Pequim, que reivindica soberania sobre a ilha.

Taiwan insiste que se defenderá se atacada, mas que quer manter a situação atual com a China, ainda que se queixe de incursões repetidas da Força Aérea chinesa em sua zona de identificação de defesa aérea.

“Acho que em geral, dentro de um ano, a probabilidade de uma guerra é muito baixa”, disse o diretor-geral do Escritório Nacional de Segurança, Chen Ming-tong, em uma reunião de um comitê parlamentar de defesa.

“Mas há muitas coisas às quais ainda é preciso prestar atenção, chamadas de acontecimentos contingentes.”

No início deste mês, a presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, disse que Taiwan não será forçada a se curvar à China, mas reiterou um desejo de paz e diálogo com Pequim.

Excetuando qualquer “acontecimento contingente”, disse Chen, “no próximo ano, dois anos ou três anos, durante o mandato da presidente Tsai, acho que não haverá problema”.

Chen citou a pandemia de Covid-19 como exemplo de acontecimento inesperado que muda fundamentalmente a sociedade.

Também no início deste mês, a China realizou quatro dias consecutivos de incursões aéreas maciças na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).