PARIS (Reuters) – A candidata escolhida pelo Partido Socialista francês para concorrer à Presidência defendeu nesta quarta-feira que os partidos de esquerda se unam em um único candidato, a ser eleito por meio de uma votação primária, para a eleição presidencial de abril do ano que vem.

Anne Hidalgo, que também é prefeita de Paris, disse que, se a esquerda não se unir, “será impossível continuar existindo em nosso país”.

“Não temos mais tempo a perder”, acrescentou ela em entrevista à emissora TF1, citando a necessidade de dar maior visibilidade política a tópicos como proteção ambiental e educação.

De acordo com pesquisas de opinião, nenhum dos três candidatos de esquerda à Presidência disputaria o segundo turno com o atual presidente e favorito à reeleição, Emmanuel Macron, de centro.

Hidalgo tem cerca de 5% das intenções de voto, atrás do candidato dos verdes, Yannick Jadot, e de Jean-Luc Melenchon, da extrema-esquerda, que também estão na casa de um dígito.

Nenhum dos três comentou anteriormente se estaria disposto a abandonar a disputa em apoio a um candidato de esquerda mais bem colocado.

Mais cedo nesta quarta-feira, o ex-ministro da Economia e Indústria Arnaud Montebourg –um socialista como Hidalgo que tem feito campanha para Presidência de forma independente– disse que estaria pronto para se retirar e apoiar um candidato único da esquerda.

Os socialistas franceses, o partido mais poderoso do país até 2017, quando controlavam as duas Casas do Parlamento e a Presidência, foram marginalizados após a eleição de Macron, que alterou o cenário político do país.

(Reportagem de Tassilo Hummel)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).