CAIRO (Reuters) – A Síria acusou neste sábado forças israelenses de matar a tiros Medhat Al-Saleh, um ex-parlamentar que passou 12 anos em uma prisão de Israel, afirmou a emissora estatal Al-Ekhbariya citando o governo.

A agência estatal de notícias síria SANA afirmou que Al-Saleh “foi martirizado depois que o inimigo israelense o matou a tiros quando voltava para casa” neste sábado em Ain al-Tineh, uma vila síria que fica próxima das Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O governo sírio denunciou “este ato criminoso covarde”. Um porta-voz militar de Israel afirmou que o exército não comenta relatos estrangeiros.

O governo sírio afirmou que Saleh passou 12 anos preso em Israel depois de ser detido em 1985 sob acusações de “resistência” a autoridades israelenses. Ele depois foi parlamentar sírio.

(Por Omar Fahmy e Maayan Lubell)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).