Por Gibran Naiyyar Peshimam e Yew Lun Tian

ISLAMABAD/PEQUIM (Reuters) – O Paquistão anunciou nesta quinta-feira que vestígios de explosivos foram detectados durante uma investigação inicial sobre a explosão de ônibus que matou 13 pessoas, incluindo nove trabalhadores chineses, e disse que um ataque terrorista não pode ser descartado como causa do incidente.

A explosão de quarta-feira no norte paquistanês lançou o ônibus de um penhasco. Inicialmente, a China disse ter sido um ataque a bomba, mas mais tarde recuou da afirmação e disse que enviaria uma equipe para ajudar a investigar.

Originalmente, o Paquistão culpou uma falha mecânica, mas, nesta quinta-feira, o ministro da Informação, Fawad Chaudhry, tuitou: “Investigações iniciais… agora confirmam vestígios de explosivos. O terrorismo não pode ser descartado”.

A China é uma aliada próxima e uma grande investidora do Paquistão, e vários militantes de oposição ao governo do Paquistão já atacaram projetos chineses anteriormente.

Os trabalhadores chineses mortos no ônibus estavam empregados no projeto da hidrelétrica Dasu, parte do Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC), um plano de investimento de 65 bilhões de dólares que visa conectar o país asiático ao porto de Gwadar, no sul paquistanês.

Chaudhry disse que o primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, está supervisionando pessoalmente todos os desdobramentos do assunto.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).