PARIS (Reuters) – Ao menos 27 pessoas morreram depois que o bote em que estavam naufragou enquanto tentavam atravessar o Canal da Mancha da França para o Reino Unido nesta quarta-feira, no que autoridades consideram o pior desastre envolvendo imigrantes na passagem que divide os países.

De acordo com pescadores, uma quantidade maior do que o normal de imigrantes deixou a costa ao norte da França para aproveitar as condições de mar calmo, embora a água estivesse extremamente fria.

Um pescador chamou o serviço de resgate depois de ver um bote vazio e pessoas flutuando estáticas nas proximidades.

Franck Dhersin, prefeito de Teteghem e vice-presidente de Transportes para a Região Norte da França, disse à Reuters que a quantidade de mortos chegou a 27 e que esse número deve aumentar ainda mais.

O Canal da Mancha é uma das rotas de navegação mais movimentadas do mundo e as correntes são fortes. Os barcos pequenos muitas vezes ficam à mercê das ondas.

A guarda costeira local informou que ainda não é possível confirmar o número de mortes, acrescentando que os serviços de resgate encontraram cerca de 20 pessoas na água, das quais apenas duas estavam conscientes.

Eles estimam que havia cerca de 30 pessoas no bote antes do naufrágio.

O Ministro do Interior da França, Gerald Darmanin, disse que estava indo para o local. “Forte emoção diante da tragédia de numerosas mortes devido ao naufrágio de um barco de imigrantes no Canal da Mancha”, escreveu ele em um tuíte.

Enquanto isso, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, presidirá uma reunião de emergência nesta quarta-feira, segundo seu porta-voz.

Três helicópteros e barcos da polícia e de resgate estavam no local, procurando pessoas desaparecidas do navio naufragado, disse o ministro da Marinha, Annick Girardin.

Um pescador, Nicolas Margolle, disse à Reuters que havia visto dois pequenos barcos mais cedo nesta quarta-feira, um com pessoas a bordo e outro vazio.

Ele disse que outro pescador havia chamado a operação de resgate depois de ver um bote vazio e 15 pessoas flutuando sem movimento por perto, inconscientes ou mortas.

Ele confirmou que havia mais barcos nesta quarta-feira porque o tempo estava bom. “Mas está frio”, acrescentou Margolle.

No início da quarta-feira, repórteres da Reuters viram um grupo de mais de 40 migrantes indo em direção ao Reino Unido em um bote.

Embora a polícia francesa esteja impedindo mais travessias do que em anos anteriores, as ações interromperam só parcialmente o fluxo de migrantes que querem chegar ao Reino Unido, no que se tornou uma das muitas fontes de tensão entre Paris e Londres.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).