Por Dilara Senkaya

ISTAMBUL (Reuters) – Mais de 2.000 turcos protestaram em Istambul neste sábado contra as ordens oficiais relacionadas ao coronavírus, incluindo vacinações, testes e máscaras, respondendo a novas medidas governamentais e um impulso de inoculação.

No maior protesto desse tipo na Turquia, pessoas – a maioria sem máscara – gritaram slogans, seguraram cartazes e bandeiras turcas e cantaram canções em defesa do que chamavam de direitos individuais, ecoando manifestações antivacinas em alguns outros países.

“Esta pandemia continua com ainda mais restrições às nossas liberdades e não tem fim”, disse Erdem Boz, 40, um desenvolvedor de software. “Máscaras, vacinas, testes de PCR podem se tornar obrigatórios. Estamos aqui para expressar nosso descontentamento com isso.”

Na segunda-feira, o governo começou a exigir prova de vacinação ou teste de Covid-19 negativo para todos os usuários de aviões, ônibus e trens intermunicipais, bem como para aqueles que participam de grandes eventos, como concertos ou apresentações teatrais.

Todos os funcionários da escola não vacinados são obrigados a fazer um teste de PCR duas vezes por semana. Máscaras e distanciamento social são obrigatórios em público.

Cerca de 64% dos turcos receberam duas vacinas no âmbito de um programa nacional que administrou mais de 100 milhões de vacinas.

Ainda assim, cerca de 23.000 novos casos surgem diariamente, levando o ministro da Saúde, Fahrettin Koca, a alertar este mês para “uma pandemia de não vacinados”.

No sábado, Koca disse no Twitter: “As vacinas são a solução final! As regras são muito necessárias.”

Os manifestantes que participaram do comício aprovado pelo governo no distrito de Maltepe, em Istambul, não foram obrigados a apresentar prova de vacinação nem teste negativo, de acordo com testemunhas da Reuters. A polícia não interveio.

“Somos contra todos esses mandatos”, disse Aynur Buyruk Bilen, do chamado Movimento de Resistência à Plandemia. “Acho que as vacinas não estão completas e que é um líquido experimental.”

(Reportagem adicional de Murad Sezer)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).