Por Nacho Doce

BARCELONA (Reuters) – Uma semana atrás, a ala de Covid-19 de um hospital de Barcelona onde a doutora Inmaculada Lopez Montesinos trabalha só tinha alguns pacientes.

Agora ela está cheia, e o Hospital del Mar liberou dois andares adicionais para tais pacientes, já que as infecções impulsionadas pela variante mais contagiosa Delta assolam a população majoritariamente mais jovem e não-vacinada da Espanha.

Embora a mortalidade esteja muito menor do que nas primeiras ondas da pandemia, Lopez Montesinos disse que hospitais como o seu estão sob pressão crescente. Ela atribui o salto repentino de casos à suspensão das restrições em todo o país ao longo dos últimos dois meses, um aumento do turismo e as férias escolares de verão.

“Tudo isto é um coquetel explosivo que nos leva a esta quinta onda que nos surpreende no meio de julho”, disse a médica de 34 anos à Reuters, apelando para que as pessoas evitem multidões, mantenham as interações sociais no mínimo e usem máscaras.

Enfrentando o maior índice de infecções de 14 dias da Espanha, 1.068 casos para cada 100 mil pessoas – mais que o dobro da média nacional –, autoridades da Catalunha, onde Barcelona se localiza, disseram na quarta-feira que reimpuseram um toque de recolher em 158 municípios.

Lopez Montesinos disse que o paciente típico que está vendo tem 40 anos ou menos, não tem problemas de saúde preexistentes e ou não está vacinado, ou só parcialmente vacinado.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).