Por Lisa Barrington e Jonathan Saul

DUBAI/LONDRES (Reuters) – Forças apoiadas pelo Irã seriam responsáveis pela captura de um navio petroleiro na costa dos Emirados Árabes Unidos, segundo três fontes do setor de segurança marítima, após a agência comercial marítima britânica reportar um “potencial sequestro” de uma embarcação no Golfo Pérsico, nesta terça-feira.

A Guarda Revolucionária do Irã negou que forças iranianas ou seus aliados estejam envolvidos nas ações contra qualquer embarcação na costa dos Emirados Árabes, e disse que o incidente é um pretexto para a tomada de “ações hostis” contra o governo iraniano, de acordo com o site de emissora estatal de televisão do Ira.

Duas das fontes marítimas identificaram a embarcação apreendida como o petroleiro de asfalto e betume Asphalt Princess, de bandeira panamenha, em uma área no Mar Arábico que leva ao Estreito de Ormuz, por onde passa cerca de um quinto das exportações marítimas de petróleo do mundo.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos afirmou sua preocupação e disse que analisa as informações sobre um incidente marítimo no Golfo de Omã, mas também disse que era muito cedo para emitir um julgamento.

O ministério de Relações Exteriores britânico afirmou que está “investigando urgentemente” um incidente em uma embarcação na costa dos Emirados Árabes Unidos, segundo afirmou um porta-voz.

As tensões dispararam na região após um ataque na semana passada a um petroleiro administrado por uma empresa israelense, no qual morreram dois tripulantes. Estados Unidos, Israel e Reino Unido culpam o Irã pelo incidente, mas o governo iraniano nega responsabilidade no episódio.

O serviço de Operações Marítimas Comerciais do Reino Unido havia reportado mais cedo um “potencial sequestro” em um alerta baseado em uma fonte externa, e aconselhou os navios a exercitarem cuidados extremos devido ao incidente, que teria acontecido a 60 milhas náuticas do emirado de Fujairah.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).