Por David Brunnstrom

WASHINGTON (Reuters) – Os Estados Unidos disseram no domingo que a primeira reunião face a face entre autoridades de alto escalão norte-americanas e do Taliban desde que o grupo radical retomou o poder no Afeganistão foi “franca e profissional” e que os EUA reiteraram que o Taliban será julgado por suas ações, não só suas palavras.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse que, durante as conversas do final de semana em Doha, no Catar, a delegação norte-americana se concentrou nas preocupações com a segurança e o terrorismo e com a saída segura de cidadãos dos EUA, outros estrangeiros e afegãos, além dos direitos humanos, incluindo a participação relevante de mulheres e meninas em todos os aspectos da sociedade afegã.

Ele ainda disse que os dois lados debateram “o fornecimento de uma assistência humanitária robusta dos Estados Unidos diretamente para o povo afegão”.

“As conversas foram francas e profissionais, e a delegação dos EUA reiterou que o Taliban será julgado por suas ações, não só por suas palavras”, disse Price em um comunicado, que não informou se algum acordo foi fechado.

Em Cabul, o Ministério das Relações Exteriores afegão disse que a reunião de dois dias correu bem, acolheu a oferta de assistência humanitária dos EUA e disse que autoridades locais facilitarão a entrega e cooperarão com grupos de ajuda, mas que tal assistência “não deve ser ligada a questões políticas”.

Segundo citações de sábado da televisão Al Jazeera, sediada no Catar, o chanceler interino afegão disse que representantes do Taliban pediram aos EUA que suspendam uma interdição das reservas do Banco Central de seu país.

(Reportagem adicional de Moataz Abdelrahiem no Cairo e James Mackenzie em Islamabad)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).