HAVANA (Reuters) – Os cuidadores do Zoológico Nacional de Cuba dizem que várias espécies de animais exóticos e ameaçados se aproveitaram da paz e do silêncio causados pela pandemia de coronavírus para encontros românticos que resultaram em uma quantidade inesperada de filhotes.

Entre os recém-nascidos estão leopardos, tigres de Bengala, zebras, girafas e antílopes, uma raridade que as autoridades atribuem aos muitos meses em que o zoológico ficou fechado durante a pandemia, disse a veterinária Rachel Ortiz.

“Embora a pandemia seja negativa para os humanos, no caso dos zoológicos foi benéfica”, disse Ortiz à Reuters. “Nosso parque, em particular, teve mais de 10 nascimentos de espécies de alto valor, ameaçadas de extinção e que podem restaurar a diversidade biológica em algum momento”.

Ortiz disse que, durante um ano normal, os olhares intrometidos de visitantes que vão ao zoológico limitam a reprodução.

O Zoológico Nacional é uma atração querida pelos cubanos, tendo 1.473 exemplares de mais de 120 espécies, incluindo animais de grande porte, como elefantes e rinocerontes.

Cuba, ilha caribenha de praias com areia branca e água cor de turquesa popular entre turistas, fechou as fronteiras durante quase dois anos em meio à pandemia e impôs quarentenas domésticas rigorosas para limitar a disseminação do coronavírus.

“Não tendo público nas áreas de exibição, os animais ficam mais calmos”, explicou Ortiz.

(Por Anett Rios e Nelson Gonzalez)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).