TÓQUIO (Reuters) – As chinesas medalhistas de ouro no ciclismo nos Jogos de Tóquio Bao Shanju e Zhong Tianshi usaram emblemas com o rosto do ex-líder chinês Mao Tsé-Tung durante a cerimônia de entrega de medalhas nesta segunda-feira, uma possível violação das regras olímpicas sobre a exibição de itens de teor político.

A dupla usou os emblemas, comuns na China durante meio século, mas uma possível violação da Regra 50 da Carta Olímpica, depois de conquistarem o título da prova feminina por equipes do ciclismo de velocidade, no Velódromo de Izu.

No mês passado, o Comitê Olímpico Internacional (COI) suavizou sua Regra 50 para permitir que atletas façam gestos em campo, como se ajoelhar, contanto que não atrapalhem o evento e com respeito pelos outros competidores.

Mas fazer política no pódio continua sendo proibido.

O COI foi contatado para comentar.

Mais cedo nesta segunda-feira, o COI disse que esta investigando o gesto feito pela atleta norte-americana de arremesso de peso Raven Saunders, que fez um X com os braços acima da cabeça ao receber a medalha de prata no pódio.

Mais tarde, ela indicou ter se tratado de uma expressão de apoio aos oprimidos.

O Comitê Olímpico e Paralímpico dos Estados Unidos (USOPC) disse mais tarde que o gesto não violou suas regras, já que foi uma “expressão pacífica em apoio à justiça racial e social que foi respeitosa com seus concorrentes”.

(Por Nick Mulvenney)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).