Por Roxanne Liu e Gabriel Crossley

PEQUIM (Reuters) – A China detectou 91 casos de Covid-19 transmitidos domesticamente com sintomas confirmados na terça-feira, a maior contagem diária desde 2 de novembro e um salto considerável na comparação com os 21 casos do dia anterior no momento em que o país enfrenta um novo surto no norte.

Todos os 91 casos sintomáticos foram relatados na Mongólia Interior, uma região do norte chinês, mostraram dados da Comissão Nacional de Saúde nesta quarta-feira.

A China continental não detectou nenhuma infecção causada pela variante Ômicron, disse Xu Wenbo, uma autoridade do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, também na terça-feira em um briefing à imprensa.

A Mongólia Interior relatou um total de 132 casos sintomáticos locais no período de 28 a 30 de novembro, mais de 70% deles em Manzhouli, uma cidade pequena próxima da fronteira com a Rússia.

Embora o número seja baixo quando comparado com os de muitos surtos de fora da China, Manzhouli rapidamente proibiu que os moradores saiam da cidade, deteve algumas importações enviadas por trem que não viajam em contêineres e fechou várias instalações públicas, já que o país mantém sua postura de tolerância zero com a disseminação de infecções.

A disparada de casos mais recente ocorre poucas semanas depois de a Mongólia Interior conter um foco que foi parte do maior surto chinês da variante Delta entre meados de outubro e meados de novembro.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).