A Bolsa de Valores tem passado por muitos altos e baixos desde o início da pandemia.

Em março de 2020, o Ibovespa viu de perto o fundo do poço. O circuit breaker ganhou os holofotes quando a bolsa desabou por conta da crise provocada pelo Coronavírus. Em apenas oito pregões, o mecanismo foi acionado seis vezes – o circuit breaker é um sistema de segurança utilizado pela B3 para paralisar as negociações por um período de tempo quando o Ibovespa cai mais de 10%.

Por outro lado, em agosto de 2021, a bolsa se recuperou e bateu seu recorde histórico. No dia 13, o Ibovespa, que é o principal índice da B3, fechou o dia com 130.776 mil pontos.

Mas nos últimos pregões, o mercado andou meio cabisbaixo. As projeções para o Ibovespa ao final do ano foram cortadas por instituições financeiras, com o aumento da taxa de juros e a deterioração do cenário econômico do país. Se no início d2 2021, as estimativas eram de que a bolsa chegaria à casa dos 150 mil pontos, agora estão mais próximas do intervalo de 120 mil a 130 mil pontos.

Expresso 6 Minutos desta semana discute quais são as perspectivas daqui pra frente. A bolsa brasileira se recuperou da pandemia ou continua andando de lado? Participa do episódio a repórter Giuliana Saringer. 

Você pode seguir e ouvir o podcast no seu aplicativo preferido. Além do YouTube, ele está disponível no SpotifyAmazon MusicDeezerApple PodcastsGoogle Podcasts, entre outros.

Confira o episódio:

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).