O Twitter divulgou nesta quinta-feira um salto na receita, impulsionada por melhorias de produto que trouxeram resultado acima do esperado.

Mas a companhia afirmou que os custos e despesas subiram e que o crescimento de usuários neste ano pode ser mais lento nos próximos trimestres.

As ações da companhia caíram 8,7% no pregão estendido.

O Twitter anunciou em fevereiro metas ambiciosas para expandir sua base de usuários e acelerar o lançamento de novas funções, de olho em dobrar a receita até 2023.

A receita de publicidade no primeiro trimestre somou US$ 899 milhões, alta de 32% ante mesmo período do ano passado. Analistas esperavam, em média, faturamento de US$ 890 milhões, segundo dados da Refinitiv.

O faturamento total do trimestre foi de US$ 1,04 bilhão, 28% acima do registrado um ano antes e praticamente em linha com a média de expectativas do mercado, de US$ 1,03 bilhão.

O Twitter reportou 199 milhões de usuários diários ativos, 20% mais que um ano antes. Analistas esperavam 200 milhões, segundo a FactSet.

A empresa repetiu alerta de que o crescimento da base monetizável de usuários diários, que se refere aos usuários diários que podem ver anúncios, pode ser de “dois dígitos baixos” nos próximos trimestre, com o segundo trimestre sendo provavelmente o ponto mais baixo.

A companhia afirmou que é muito cedo para se determinar o total impacto da mudança da política de privacidade da Apple, lançada na segunda-feira. Nesta semana, o Facebook afirmou que seu crescimento pode ser “significativamente” impactado neste ano com a mudança promovida pela Apple, que torna mais difícil para a empresa direcionar anúncios a usuários de dispositivos como o iPhone.

O Twitter afirmou ainda que as despesas com opções de ações a funcionários neste ano vão somar US$ 600 milhões, acima da previsão anterior de US$ 525 milhões a US$ 575 milhões, uma vez que está acelerando contratações de pessoal.

O Twitter afirmou que as despesas com funcionários, bem como os custos e despesas totais, aumentem pelo menos 25% em 2021 sobre o ano anterior.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).