A Apple já trabalha em novos modelos do Apple Watch. O foco da empresa deve ser uma melhor qualidade da tela, deixar o relógio mais rápido, criar uma edição para fãs dos esportes radicais e incluir sensores de medição de temperatura corporal e de açúcar no sangue.

A Apple já havia tentado incluir sensores de temperatura no modelo de 2021, mas é mais provável que a inclusão fique para 2022. O sensor de glicemia deve demorar alguns anos para ser incluído nos modelos – a medida vai ajudar pacientes diabéticos a controlarem melhor seu nível de açúcar no sangue. A grande dificuldade da nova tecnologia é que a empresa quer criar um sistema que não seja invasivo e que consiga o dado por meio do contato com a pele. Hoje, os pacientes diabéticos precisam medir a glicose furando a ponta do dedo.

Olhando como um todo, o novo modelo deve ser um pouco mais grosso do que os anteriores, mas a mudança não deve ser perceptível aos consumidores.

O modelo também vai incluir funcionalidade de banda ultralarga atualizada, a mesma tecnologia usada no localizador de itens Apple AirTag. Em sua conferência de desenvolvedores no início de junho, a Apple fez uma prévia da atualização do software WatchOS 8, que vai permitir que o dispositivo destranque portas e quartos de hotel.

O modelo destinado a esportes radicais, descrito por alguns como edição “explorador” ou “aventura”, foi desenvolvido para ser lançado no começo deste ano, mas a previsão mais realista é de que chegue ao mercado em 2022. O novo modelo deve ajudar a Apple a competir com players como Garmin e Casio.

Novos sensores

Medir a temperatura corporal virou um hábito por causa da pandemia, abrindo espaço para gadgets como o Withings Thermo. Algumas empresas oferecem termômetros digitais pequenos que podem ser ligados a entrada de carregamento do celular. Ao adicionar a funcionalidade no Apple Watch, a empresa conseguiria conectar os relógios e bands a outros produtos disponíveis no mercado.

O monitoramento da glicemia já é um recurso que a Apple está desenvolvendo há bastante tempo e, quando lançado, vai ser um grande diferencial em comparação aos concorrentes.

Desde 2015, o Apple Watch está crescendo e é considerado um produto chave no portfólio da empresa. Junto com o iPhone e o iPad, o relógio preenche o ecossistema de hardware da empresa e ajudou a categoria mais ampla de wearables, casa e acessórios da Apple a gerar mais de US$ 30 bilhões no último ano fiscal.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).