Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) – Os preços do petróleo quase não mudaram nesta sexta-feira, após eliminarem ganhos com as crescentes preocupações de que o aumento de casos de coronavírus e uma nova variante poderiam reduzir a demanda global por petróleo.

No início do dia, os preços do petróleo subiram mais de 2 dólares o barril depois que o grupo de produtores Opep+ disse que poderia rever sua política para aumentar a produção em curto prazo, caso um número crescente de ‘lockdowns’ devido à pandemia sufoque a demanda.

Os futuros do petróleo Brent subiram 0,21 dólar, ou 0,3%, para fechar em 69,88 dólares o barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) recuou 0,24 dólar, ou 0,4%, a 66,26 dólares.

Ambas as marcas de referência caíram pela sexta semana consecutiva pela primeira vez desde novembro de 2018, e ambos permaneceram em território tecnicamente sobrevendido pelo sexto dia consecutivo pela primeira vez desde setembro de 2020.

“Muitos lugares para apontar a culpa pela grande retração na energia”, disse Bob Yawger, diretor de futuros de energia da Mizuho em Nova York, observando que os casos de coronavírus estão aumentando, o relatório de empregos dos EUA foi uma decepção e a Opep+ manteve seu plano de aumentar a produção em janeiro.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo, Rússia e aliados, grupo conhecido como Opep+, surpreendeu o mercado na quinta-feira ao manter seus planos de adicionar 400 mil barris por dia (bpd) em janeiro.

(Reportagem adicional de Shadia Nasralla em Londres, Roslan Khasawneh em Singapura e Sonali Paul em Melbourne)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).