Por Carolina Mandl e Tatiana Bautzer

SÃO PAULO (Reuters) – A Petrobras contratou o JPMorgan como assessor para vender sua participação na petroquímica Braskem, disseram três fontes a par do assunto.

Na manhã desta quinta-feira, executivos da Petrobras disseram em teleconferência com investidores que tinham contratado assessores para vender sua fatia na Braskem, sem dar mais detalhes.

O conglomerado Novonor, antes conhecido como Odebrecht, retomou a venda do controle acionário da Braskem em abril, mas até agora não encontrou comprador.

Mesmo assim, Morgan Stanley, assessor da Novonor, recebeu propostas para alguns ativos da petroquímica. A empresa possui fábricas no Brasil, México e nos Estados Unidos.

Dada a complexidade de vender unidades da empresa para diferentes compradores, a Petrobras decidiu contratar um consultor para analisar possíveis negócios.

A Petrobras, que também tem interesse em vender sua participação na empresa, tem sido mais favorável a uma venda por meio de uma oferta de ações, mas a Novonor, como acionista controladora, prefere uma venda do ativo porque busca um prêmio por sua fatia controladora.

Em recuperação judicial, a Odebrecht precisa levantar recursos para pagar seus credores.

Há dois anos, um acordo de venda da Braskem para a Lyondell Basell Industries BV fracassou, pois a Braskem começou a enfrentar problemas ambientais relacionados às suas atividades de mineração na cidade de Maceió (AL).

A Petrobras não comentou o assunto imediatamente.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).