O Burger King desistiu de comprar a operação brasileira da rede de pizzarias Domino’s Pizza. O acordo, que seria realizado com a Vinci Capital Partners para a aquisição de todas as ações da master franqueada no país, minguou devido à deterioração das condições de mercado desde julho, quando as negociações começaram, segundo análise do banco Credit Suisse.

O principal entrave à concretização do negócio foi a desvalorização acentuada do valor de mercado do Burger King desde que os termos da transação foram estabelecidos. Com a fusão, os acionistas da Domino’s Pizza Brasil receberiam 54 milhões de ações da companhia compradora, que na época da precificação tinham valor unitário de R$ 11,12. Mas esse valor caiu abaixo dos R$ 7, o que tornou inviável a transação sob as mesmas condições anteriormente previstas.

“O Burger King teve uma perda gigantesca neste período, em linha com o Ibovespa. Com isso, o valor que os acionistas da Domino’s receberiam em ações passou a ser muito menor e a conta não fechou mais”, explica Renato Mendes, sócio da F5Business Growth.

Para ele, os fundamentos que sustentam a aquisição se mantêm e a possibilidade de o negócio ser firmado nos próximos meses não deve ser descartada, já que o Burger King terá preferência na aquisição da DP Brasil pelos próximos 12 meses.

Além da retomada do valor acionário de julho, há outras possibilidades que viabilizariam o negócio, como a inclusão de um número maior de ações ou de um valor complementar em dinheiro. A participação oferecida foi de 19,7%.

“O negócio continua fazendo sentido do ponto de vista estratégico. Não houve nenhum problema relacionado às marcas ou ao plano de negócios.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).