A crise da empresa de escritórios compartilhados WeWork está ganhando mais um capítulo. O grupo japonês SoftBank, que já investiu US$ 10,65 bilhões na companhia, vai assumir, a partir desta terça-feira (22), o controle da empresa. O objetivo é salvar os próprios recursos e evitar que a WeWork desande ainda mais.

Segundo o The Wall Street Journal, o conselho da WeWork aprovou que o SoftBank assuma o controle.

O que vai acontecer? O Softbank vai investir algo entre US$ 4 bilhões e US$ 5 bilhões para ficar com 70% das ações da empresa, que é avaliada em US$ 8 bilhões — um pálido número frente à estimativa de US$ 47 bilhões do início do ano, quando chegou a ser classificada como a startup mais valiosa do mundo.

Como começou a crise da WeWork? Apesar dos aportes robustos, a empresa fundada por Adam Neumann tinha (tem) números ruins, com prejuízo de mais de US$ 900 milhões no primeiro semestre de 2019 e práticas de governança preocupantes. Tudo começou a desmoronar quando essas informações vieram a público em agosto, no momento em que a empresa entrou com um pedido de registro para a abertura de capital. Investidores e analistas observaram os números e isso criou uma crise de confiança que tornou inviável o IPO.

Escritório da WeWork em San Francisco: SoftBank deve assumir a empresa
Crédito: Shutterstock

Com o novo investimento, o que acontece? Neumann vai ter sua participação reduzida, com um pouco mais de 10% dos papéis da empresa, reduzindo seu poder de interferência. Parte dos novos recursos será aportado em garantias de contratos que estavam perto de expirar, e cerca de 2 mil pessoas, ou 13% da força de trabalho da WeWork no mundo, serão demitidas.

Quem deve assumir a liderança? O boliviano-americano Marcelo Claure. Ele é diretor de operações do SoftBank e um dos chefes do fundo que o grupo japonês abriu para investir US$ 5 bilhões na América Latina. Esse fundo já investiu em startups como a Creditas, o Banco Inter, a Gympass, a Loggi e a QuintoAndar.

(Com Estadão Conteúdo)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).