A Netflix atribuiu à pandemia o crescimento recorde em 2020. Agora, está culpando a mesma pandemia pelo pior primeiro trimestre em oito anos.

O serviço de streaming ganhou muito menos clientes novos do que Wall Street esperava nos primeiros três meses de 2021, perdendo até sua própria previsão de milhões de assinantes. E o trimestre atual será mais desafiador, disse a Netflix na terça-feira, prevendo um ganho de apenas 1 milhão de novos clientes – ou uma fração dos 4,44 milhões projetados por analistas. O crescimento desanimador fez com que as ações despencassem até 13%. Nesta quarta, as ações caíram 8% no pré-mercado.

A Netflix vem alertando há meses que o crescimento iria desacelerar depois que os clientes saíssem da hibernação do Covid-19, mas poucos esperavam que a empresa parasse tão drasticamente. O primeiro trimestre de 2020 foi o mais forte de sua história, obtendo 15,8 milhões de novos clientes, e o ritmo da Netflix ainda era acelerado no quarto trimestre.

“Tivemos aqueles 10 anos em que estávamos crescendo suavemente ”, disse o presidente executivo e co-diretor executivo Reed Hastings em um webcast para investidores. “Está um pouco oscilante agora.”

A Netflix adicionou 3,98 milhões de assinantes no primeiro trimestre, em comparação com uma estimativa média dos analistas de 6,29 milhões e sua própria previsão de 6 milhões. Isso marcou o início de ano mais fraco desde 2013, quando a Netflix adicionou cerca de 3 milhões de clientes. Se a previsão da empresa para o trimestre atual se mantiver, será o pior período de três meses para a Netflix desde os primeiros dias de seu serviço de streaming.

A Netflix colocou a culpa no prolongamento da Covid-19, o que significa que a pandemia acelerou seu crescimento em 2020 enquanto todos estavam presos em casa e precisavam de algo para assistir. Agora isso está afetando os resultados da empresa em 2021.

“Na verdade, tudo se resume à Covid”, disse Spencer Neumann, diretor financeiro da empresa, no webcast.

A falta de novos programas também contribuiu para a queda, disse a empresa. Embora houvesse sucessos populares disponíveis, como “Bridgerton” e “Cobra Kai”, novos lançamentos diminuíram após meados de janeiro e o crescimento diminuiu.

Para impulsionar as assinaturas, a Netflix deve considerar alcançar novos clientes assinando mais pacotes e acordos de integração com empresas de TV por assinatura e banda larga, disse Maria Rua Aguete, analista da Omdia, por e-mail.

“Tendo esgotado o conjunto de novas famílias para as quais vender, os serviços de vídeo sob demanda por assinatura devem se preparar para um 2021 muito mais lento”, acrescentou ela.

Obstáculos de produção

A pandemia empurrou o lançamento de muitos dos principais títulos da empresa para a segunda metade deste ano. A produção foi interrompida em 2020 devido às consequências da pandemia. A Netflix foi capaz de sustentar sua programação de lançamento durante os primeiros meses de bloqueios da Covid porque já havia concluído muitos projetos. Mas a maioria dos filmes e programas que deveriam estar sendo gravados no ano passado foram adiados ou cancelados.

“Não havia nada para assistir neste trimestre”, disse Michael Nathanson, analista da MoffettNathanson LLC.

O que a Bloomberg Intelligence diz

“É importante não confundir o ruído de curto prazo nos ganhos de usuário com a tese de longo prazo da Netflix, que acreditamos, continua mais forte do que nunca”, afirou Geetha Ranganathan, analista de mídia sênior de BI.

A Netflix rejeitou a ideia de que a competição influenciou seus resultados, observando que seu crescimento desacelerou globalmente – não apenas no mercado de streaming americano lotado. Disney +, HBO Max e Peacock ainda não competem com a Netflix em muitas partes do mundo. Ainda assim, a empresa está enfrentando mais rivais do que nunca, e alguns dos serviços são mais baratos do que o Netflix, que aumentou seus preços nos EUA em outubro. Embora a produção tenha sido retomada em todos os países, exceto Brasil e Índia, isso não ajudará a Netflix até o final deste ano.

A resposta da empresa aos desafios permanece a mesma de sempre: produzir mais programas. A Netflix planeja gastar US $ 17 bilhões em dinheiro em programação este ano, ante US $ 12,5 bilhões no ano passado e US $ 14,8 bilhões em 2019. Ela está priorizando investimentos em programação fora dos EUA, onde vive a maioria de seus novos clientes.

Recompra de ações

Após anos de empréstimos para financiar a produção, a Netflix disse que não precisa mais levantar financiamento externo para financiar as operações do dia-a-dia. A empresa planeja reduzir a dívida e recomprar até US$ 5 bilhões em ações.

Nem executivos nem investidores podem ter certeza se a trajetória no primeiro semestre é temporária ou sinal de amadurecimento do negócio. A Netflix caiu até 13%, para US$ 480 em negociações estendidas, o que seria uma baixa de 2021. As ações subiram 1,6% este ano até o fechamento da terça-feira em Nova York.

Quando questionados se era hora de a empresa se expandir para um novo negócio, os executivos insistiram que ainda havia muito crescimento no setor de entretenimento. Mas eles provocaram duas áreas potenciais de expansão nos próximos anos: produtos de consumo e videogames.

Em qualquer caso, o foco principal será transmitir mais programas de sucesso, disse o co-CEO e chefe de conteúdo Ted Sarandos. “O que temos que fazer, semana após semana, é entregar a programação que nossos membros amam”, disse ele.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).