O Nubank anunciou nesta quarta-feira, 27, que fez pedido confidencial na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de registro para uma oferta pública inicial de Brazilian Depositary Receipts (BDRs, recibos de empresas listadas no exterior), na B3. O banco digital fará abertura de capital (IPO, em inglês) nos Estados Unidos, mas também terá listagem simultânea no Brasil, conforme antecipou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

A Nu Holdings, que controla o banco digital, pediu três registros na CVM, todos de forma confidencial: um de admissão à negociação de programa de BDR, que será de nível III, e outro para oferta pública inicial de distribuição de BDRs, que vão representar ações ordinárias classe A (ON, com direito a voto).

O Nubank também pediu registro e listagem de emissor estrangeiro categoria “A”.

Os protocolos, informa comunicado do banco, estão tendo “tratamento reservado” na CVM, assim como está acontecendo com os documentos enviados aos reguladores americanos, como a Securities and Exchange Commission (SEC).

Segundo fontes, o IPO do Nubank nos Estados Unidos, um dos mais aguardados do ano, pode ocorrer no final de novembro ou começo de dezembro, movimentando entre US$ 3 bilhões e US$ 4 bilhões.

O banco reportou no primeiro semestre lucro de R$ 76 milhões em suas operações no Brasil, ante um prejuízo de R$ 95 milhões o mesmo período de 2020.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).