BRASÍLIA (Reuters) – O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu nesta quarta-feira que as notícias sobre o aumento da criminalidade após o advento do Pix, que permite transferências instantâneas a qualquer dia e horário, “não estão em linha com o que está acontecendo 100% na realidade”.

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, Campos Neto afirmou que, com a reabertura da economia, o índice de criminalidade voltou a subir e que o Pix, que não existia antes, passou a ser o método utilizado no lugar de TED e DOC.

“Se a gente olhar o número em si dos atos de criminalidade ele está muito perto do que estava lá em 2019, quando nem tinha o Pix. Ele tem uma correlação muito maior com a abertura da economia do que o Pix, por exemplo, ter fragilidade, que é uma coisa que não é verdade”, disse.

Campos Neto defendeu que o Pix, na comparação com TED e DOC, é mais seguro e rastreável.

Sobre a emissão de notas de 200 reais, decidida no ano passado, o presidente do BC reconheceu que esta não era a saída ideal, mas que foi adotada diante de uma necessidade imposta pela pandemia.

(Por Marcela Ayres)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).