Houve 13.600 voos de passageiros ao redor do globo em 25 de abril de 2020, o menor número registrado durante a pandemia. Foi uma queda de 86% no tráfego em comparação com alguns meses antes, de acordo com a empresa de análise de viagens Cirium. Não havia para onde ir.

Ainda assim, nove meses depois, a Cirium estima que 30% dos aviões comerciais globais permaneçam estacionados. A OAG, outra empresa de dados e análises de aviação, informou que a capacidade de assentos permaneceu em 50% em janeiro de 2021, em comparação com o mesmo período do ano anterior. E novas estimativas da Associação Internacional de Transporte Aéreo mostram que a recuperação será mais lenta do que o esperado; em vez de registrar aumento de 50% até o final de 2021, como previsto anteriormente, a associação agora estima o pior cenário com alta de 13% do tráfego de passageiros em relação aos números de 2020.

Como resultado, companhias aéreas deslocam as operações para onde quer que haja demanda. O lazer agora é foco; viagens de negócios estão descartadas.

Menos conexões, mais sol

As viagens de lazer mostraram os primeiros sinais de recuperação, com picos no verão do hemisfério norte e na temporada de Natal. As viagens de negócios, por outro lado, podem ser permanentemente limitadas ao Zoom; empreendedores como Bill Gates preveem que as viagens de negócios cairão permanentemente em 50%. Em resposta, diz Henry Harteveldt, presidente da consultoria de aviação Atmosphere Research, companhias aéreas estão migrando rotas de negócios que conectam grandes cidades para destinos de lazer ensolarados.

United, Delta e American Airlines cortaram voos para Londres, por exemplo – seja de Nova York, São Francisco ou Washington. Também cortados: voos diretos antes comuns de hubs dos Estados Unidos para Frankfurt, Tóquio, Sydney e São Paulo. “Dada a falta de demanda em negócios, estamos nos concentrando em viagens de lazer e oferecendo mais serviços aos clientes que viajam para visitar familiares e amigos”, disse o vice-presidente de planejamento de rede da American Airlines, Brian Znotins.

Há uma vantagem para quem viaja a lazer nos EUA: menos conexões. As rotas “ponto a ponto”, que contornam as conexões típicas em grandes aeroportos conectando destinos menores diretamente, não teriam sido lucrativas antes da pandemia. Mas hoje, as conexões são especialmente onerosas e a conveniência reina, diz Paul Tumpowsky, fundador e CEO da agência de viagens de alto padrão Skylark.

Os que partem de cidades secundárias como Boston, Cleveland, Milwaukee e Indianápolis encontrarão voos mais diretos do que nunca – principalmente se forem para lugares mais quentes na Flórida, como Fort Lauderdale, Fort Myers, Orlando, Key West e Tampa.

Por que a mania da Flórida?

“Tudo o que fazemos decorre da demanda”, diz Ankit Gupta, vice-presidente da United para planejamento de rede doméstica. “Os estados ensolarados estão vendo muito mais demanda por viagens do que antes, em termos relativos, enquanto evaporou no nordeste” dos EUA, disse.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).