A Itapemirim Transportes Aéreos fez o primeiro voo com passageiros nesta terça-feira (29). O presidente do Grupo Itapemirim, Sidnei Piva, estava visivelmente emocionado de ter conseguido colocar a Ita, apelido da companhia, no ar.

“O sentimento é de vitória, de dever cumprido. Uma satisfação enorme de colocar em funcionamento uma companhia aérea nesse período de pandemia. Eu estava muito tenso no início do dia, antes da decolagem, mas quando o avião tomou a pista e subiu, eu tive uma sensação indescritível”, afirmou Piva.

Mas o caminho não foi fácil e a companhia ainda enfrenta algumas dificuldades operacionais, como atraso na entrega de aeronaves.

Até hoje, a Ita está com duas aeronaves prontas, duas sendo configuradas e uma que deve ser entregue pronta para voar até o final da semana.

“Houve um atraso nas entregas, pelo avanço de novas variantes da covid. Momentaneamente é um atraso, mas vamos atualizar esse cronograma ainda em 2021”, afirma Piva.

As aeronaves foram reconfiguradas para dar mais espaço entre as poltronas. No Airbus A320 que embarcamos do Aeroporto Internacionalde Guarulhos, em São Paulo, para o Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek, não tinha poltrona reclinável e painel multimídia, itens que devem ser adicionados no futuro.

“As dificuldades que encontramos foram surreais por causa da pandemia. Embora tenham esses atrasos de algumas coisas, eu entendo que o lançamento foi satisfátorio, porque conseguimos colocar a companhia voando e vendendo bem dentro da expectativa do covid”, afirma Piva, que não abriu dados das vendas.

A empresa diz que está trabalhando para ter 10 aeronaves na frota até agosto.

 

Voos adiados

Pelos atrasos, a Itapemirim precisou adiar alguns voos. A operação começaria no dia 30 de junho, mas os voos comerciais foram adiados para 1 de julho.

“Em respeito ao cliente, minha diretoria ligou para cada um deles e deu uma passagem gratuita. Somos uma companhia diferente e, por isso, não adianta eu fazer um discurso e minha equipe não atender o que eu falo”, afirma Piva.

“O fato de termos feito alguns cancelamentos foi justamente para que não fizéssemos nada de última hora que surpreendesse os passageiros negativamente. Queremos que o o cliente tenha sua expectativa atendida”, afirma Adalberto Bogsan, CEO da Itapemirim Transportes Aéreos.

Qual a meta? Ter uma frota de 50 aeronaves, mas não há um prazo para isso acontecer.

 

Aviões + ônibus

Em entrevista ao 6 Minutos, Piva disse que pretende oferecer trechos com rotas aéreas e rodoviárias integradas.

“A Itapemirim está programada para interligar os modais até o primeiro semestre de 2022. Queremos entregar mais de 2.700 conexões entre o modal aéreo e o rodoviário”, disse Piva em Brasília.

Plano de milhas

“Vamos revolucionar milhas no Brasil”, disse Piva. No entanto, o formato ainda não foi anunciado.

Piva deu algumas pistas: “A Itapemirim tem uma governança, uma sólida administração e teremos um programa de incentivo de repasses. Vamos apresentar em breve. Vai dividir parte do lucro com os clientes. Estamos pensando fora da caixa”, afirma.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).