Por Nelson Bocanegra

BOGOTÁ (Reuters) – Os países latino-americanos mostram uma tendência crescente de aumento de impostos e tarifas sobre a atividade aérea, em um momento em que o setor se recupera da crise devido à pandemia de Covid-19, afirmou nesta segunda-feira a principal órgão comercial da indústria.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) disse que a Argentina implementou impostos adicionais sobre as vendas de passagens, aumentou a taxa de embarque internacional, enquanto a Costa Rica planeja aumentar as taxas de segurança do aeroporto de San José em mais de 70%.

Além disso, a República Dominicana planeja aumentar as taxas de manuseio em terra em pouco mais de 6% no próximo ano e El Salvador está adicionando uma taxa de inspeção agrícola às passagens aéreas, disse o diretor-geral da Iata, Willie Walsh.

Ele frisou que embora a região registre uma recuperação do tráfego aéreo, “observamos uma tendência crescente dos nossos chamados parceiros de aumento de impostos e taxas”, referiu as autoridades de alguns países.

“Esses (aumentos) são inaceitáveis ​​em tempos de crise e não podemos tolerar que outros sigam seus passos”, disse ele durante a reunião anual de companhias aéreas da América Latina e do Caribe, em Bogotá.

Walsh revelou que a Iata projeta perda para as companhias aéreas da América Latina de 5,6 bilhões de dólares neste ano, que cairia para cerca de 3,7 bilhões de dólares em 2022.

“Esta crise vai além de tudo o que já vivemos”, disse o Walsh. “A boa notícia, porém, é que acho que o pior já passou e podemos ver um caminho para a normalidade.”

De acordo com a Iata, os mercados domésticos devem atingir quase 75% dos níveis pré-pandêmicos até o fim deste ano, embora as viagens internacionais alcancem 22% antes da crise devido às restrições provocadas pela Covid-19.

(Reportagem de Nelson Bocanegra)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).