A Hypera Pharma disse que um de seus acionistas controladores reembolsará a empresa após uma investigação interna detectar “pagamentos irregulares” feitos por ex-executivos em conexão com uma investigação criminal, o que fazia as ações da farmacêutica dispararem na bolsa paulista.

Como o caso veio à tona? A investigação interna, conduzida por um comitê independente em abril de 2018, veio após a Polícia Federal revelar evidências de corrupção de ex-executivos, mostrando que a fabricante de medicamentos havia feito pagamentos irregulares de R$ 110,557 milhões, disse Hypera nesta terça-feira.

A empresa adicionou que nenhum dos indivíduos envolvidos nos atos ilícitos trabalha mais para a empresa ou suas subsidiárias.

O que a empresa vai fazer? A Hypera também disse que seu acionista fundador, João Alves de Queiroz Filho, concordou em reembolsar a Hypera em quatro parcelas “sem assumir a responsabilidade” pelos atos.

A investigação policial foi resultado de um depoimento do ex-executivo Nelson José de Mello.

O comitê especial recomendou que o conselho da Hypera adote medidas para fortalecer os padrões de conformidade e controles internos.

“A conclusão da investigação tem um impacto positivo para a empresa por várias razões”, disse Henrique Esteter, analista da corretora Guide. “A perspectiva de melhor conformidade para impedir que essas irregularidades aconteçam novamente também ajuda”, acrescentou.

 

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).