Por Tatiana Bautzer

SÃO PAULO (Reuters) – O conglomerado peruano Aenza, agora sob controle do fundo de private equity IG4, esta preparando uma reestruturação para concentrar-se na operação de ativos de infraestrutura, afirmou o executivo do fundo Paulo Mattos.

O presidente-executivo e managing partner da IG4 disse em entrevista à Reuters que a Aenza, antes conhecida como Grana Y Montero, está preparando o spin-off de sua construtora, junto com a divisão imobiliária e de óleo e gás, para concentrar as operações em ativos de infraestrutura como estradas ou aeroportos.

Para financiar a expansão da Aenza para operar em outros países da América Latina, a empresa contratou o banco Santander para assessora-la numa emissão de cerca de 400 milhões de dólares em bonus.

O grupo também concedeu mandato ao Lazard e Santander para iniciar o processo de spin off da área de construção e avaliar sua possível venda, disse Mattos.

“Queremos que a Aenza seja focada em operações de infraestrutura, seja parecida com a CCR nos países de língua espanhola da América Latina”, disse Mattos. Para isso, a companhia deve abrir escritórios em outros países além do Peru, onde fica a maior parte de suas operações, incluindo um em Miami, de onde avaliará oportunidades de expansão na região.

Além da emissão de dívida, é possível também que a Aenza faça uma oferta de ações dependendo da necessidade de capital para expansão.

No início da semana, o fundo IG4 concluiu a troca dos executivos da Aenza com a eleição de um novo conselho. O sócio da IG4 e ex-executivo da Telefónica Juan Revilla é presidente do conselho e André Mastruobonno, especialista em reestruturação do IG4 que já atuou na mesma área para o Carlyle e GP Investimentos, é o novo presidente-executivo da Aenza.

Outros membros do conselho indicados pelo IG4 são Gustavo Buffara, Pablo Kühlenthal e Gema Garrido.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).