A H&M, empresa sueca que é a 2ª maior varejista de moda do mundo, disse nesta quinta-feira (5) que parou temporariamente de comprar couro do Brasil devido a preocupações ambientais ligadas a incêndios na Amazônia.

Crédito: Leonhard Foeger/Reuters

Qual foi a justificativa da empresa? “Devido aos graves incêndios na parte brasileira da Floresta Amazônica e às conexões com a produção de gado, decidimos suspender temporariamente o couro do Brasil”, afirmou a H&M em comunicado por e-mail.

“A proibição permanecerá ativa até que existam sistemas de garantia críveis para verificar se o couro não contribui para danos ambientais na Amazônia”, afirmou o documento. Uma porta-voz da H&M disse que a maioria do couro do grupo é originária da Europa e que uma parte muito pequena é do Brasil.

Você pode me dar um pouco mais de contexto? A crise dos incêndios na Amazônia já tinha causado impacto econômico. Nos últimos dias de agosto, a VF Corporation, holding que controla grandes marcas de calçados e acessórios como Vans, Timberland e Kipling, suspendeu a compra de couro proveniente do Brasil.

Na mesma época, a Nestlé, gigante suíça do setor de alimentos, disse que iria fazer uma reavaliação de seus fornecedores de cacau e carne no Brasil, para identificar se há parceiros que estejam relacionados a desmatamento ilegal ou queimadas criminosas na Amazônia.

(Com Reuters)

 

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).