PEQUIM (Reuters) – Os contratos futuros do aço chinês caíram nesta quarta-feira, com os preços das matérias-primas despencando em meio à intervenção do governo para aliviar os preços das commodities, enquanto a demanda pelo metal industrial permaneceu contida por controles de produção.

Os contratos futuros mais ativos do carvão metalúrgico e do coque na Bolsa de Commodities de Dalian caíram 9%, a 2.704 iuanes e 3.430 iuanes, respectivamente, atingindo seus limites diários de negociação.

A queda veio quando o carvão térmico atingiu seu limite de baixa de 10%, depois que o planejador estatal disse que pediu às principais províncias produtoras de carvão que investigassem e regulamentassem os locais de armazenamento ilegais.

Os futuros do minério de ferro de referência na bolsa de Dalian, para entrega em janeiro, fecharam em alta de 1%, para 707 iuanes por tonelada, recuperando-se da queda de 4,1% no início da sessão.

Os preços spot do ingrediente siderúrgico com 62% de ferro para entrega na China subiram 1 dólar na quarta-feira, para 122,50 dólares a tonelada, de acordo com a consultoria SteelHome.

“Afetada por controles de consumo de energia, restrições ambientais durante a temporada de aquecimento no inverno e as Olimpíadas de Inverno… a oferta de aço deve ser restringida continuamente, a demanda de minério de ferro será prejudicada no longo prazo”, disseram analistas da CITIC Securities em nota.

O vergalhão de aço na Bolsa de Futuros de Xangai caiu 4,3%, para 4.655 iuanes por tonelada. As bobinas laminadas a quente, usadas em carros e eletrodomésticos, caíram 3,6%, para 5.032 iuanes por tonelada.

Os futuros do aço inoxidável de Xangai fecharam em queda de 2,1%, para 19.630 iuanes por tonelada.

(Reportagem de Min Zhang em Pequim e Tom Daly)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).